Início > Gerência de Projetos > No Calor do Momento

No Calor do Momento

Já trabalhei em vários projetos onde havia pessoas – não necessariamente desenvolvedores – que não sentiam o momento do projeto. É fato que a maioria dos projetos atrasa, mas essas pessoas não colaboravam para sanar os problemas e até atrapalhavam.

Muitas vezes precisaremos chegar mais cedo, ir noite adentro e também trabalhar aos finais de semana para terminar tarefas mal estimadas, lidar com imprevistos ou investigar e corrigir problemas às vezes causados por nós mesmos. Também precisaremos participar de reuniões exaustivas para redefinição de prioridades. Nessas situações, há pessoas que adotam uma postura negativa:

  • Dizem que não trabalharão mais horas se não ganharem para isso;
  • Inventam desculpas as mais inacreditáveis possíveis;
  • Abandonam a equipe em momentos inoportunos;
  • Tornam-se agressivos ou criam barreiras em torno de si;
  • Acusam outras pessoas que fazem ou já fizeram parte da equipe.

Os passivos se disfarçam de calmos e não se alteram independentemente da situação do projeto ou da equipe:

  • Assim como os negativos, também arrumam desculpas para não ficarem até mais tarde ou chegar mais cedo no trabalho;
  • Caso esbarrem em um código não documentado ou refatorável, nunca o corrigem, não avisam ninguém e sequer inserem comentários;
  • Nunca aceitam responsabilidades além daquelas específicas para as quais alegam terem sido contratados;
  • Fazem qualquer gambiarra para se livrarem mais rápido da tarefa e voltarem a fazer o que gostam: fotossíntese;
  • Não agregam valor em reuniões. Não expressam suas opiniões favoráveis ou contrárias a não ser que sejam pressionados. Nesse caso, concordam com a opinião geral;
  • Não se manifestam, mesmo que saibam o que está errado;
  • Gostam de tudo mastigado. Se não entendem algo, não vão atrás do conhecimento. Realizam a tarefa de qualquer forma e alegam que foi o que entenderam quando algum problema ocorre.

Nota-se que o passivo também é negativo, pois sua omissão causa prejuízo para a equipe e para a empresa. No outro extremo estão os idealistas. Ser idealista não significa adotar uma atitude positiva, mas sim viver uma utopia, pois eles:

  • São os primeiros a sugerir trabalho extra para os outros, nunca para si mesmos;
  • Subestimam a dificuldade das tarefas, pois supervalorizam suas capacidades técnicas e a dos outros;
  • Acreditam – ou fazem um enorme esforço – para acreditar que não há nada errado ou que em breve vai melhorar. O pior é quando conseguem nos convencer da beleza das rosas, mesmo que estejamos vendo e até sentindo os espinhos.

Em momentos de dificuldade – e em qualquer outra ocasião – devemos encontrar as pessoas que têm atitude positiva. O positivo não é uma pessoa ingênua que acha que está tudo bem, mas:

  • Prontifica-se a ajudar quando requisitado mesmo que tenha muito trabalho a fazer;
  • É comunicativo;
  • É humilde;
  • Sempre tem idéias novas e muito a agregar em reuniões;
  • Etc.

Conclusão

Para todas as ocasiões, precisamos nos cercar de pessoas competentes e prestativas, mas não devemos nos aproveitar desse fato para nos acomodarmos e nos tornarmos passivos, pois uma pessoa que não é vista como commodity é isolada pela equipe e descartada da empresa.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. 06/10/2009 às 10:24 PM
  2. 17/02/2010 às 12:32 PM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: